FIERGS vê como positiva a redução na taxa de juros anunciada pelo Copom

“Após um longo período de luta contra a inflação, atingimos a menor Selic da nossa história. Contudo, para que continuemos caminhando rumo a taxas de juros mais próximas de outros países semelhantes ao Brasil, é fundamental que se equilibre a situação fiscal”, diz o presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), Gilberto Porcello Petry, ao analisar a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom), nesta quarta-feira (6), de reduzir de 7,5% para 7% a taxa de juros.

O presidente da FIERGS ressalta que a dívida pública brasileira cresce em ritmo alarmante por conta da sucessiva geração de déficits nas contas públicas, o que representa um risco à redução do juro estrutural da economia. “Portanto, para que a Selic permaneça baixa, devemos diminuir a dívida publica, para isso será necessário reformar a Previdência e racionalizar a gestão de outros gastos do orçamento”, destaca Petry, lembrando que apesar do ciclo de queda da inflação ter acabado, a lenta expansão da atividade econômica e a elevada ociosidade contribuem para mais essa redução na taxa de juros.

Você também poderá gostar...