Globo tem perda operacional inédita de 83 milhões de reais em 2017

No esteio da crise econômica do País, a Globo Comunicação e Participações S.A. (Globopar) teve mais uma queda aguda nos resultados de 2017 e apresentou déficit de 83,35 milhões de reais no resultado operacional da controladora, que envolve as receitas das atividades de televisão aberta (cinco emissoras) e os negócios na Internet.

É a primeira vez no histórico dos balanços da empresa que há resultado negativo na contabilização de receitas e despesas das atividades. Ainda assim, os negócios da TV paga (Globosat) e outros investimentos asseguraram ao grupo um lucro líquido de 1,853 bilhão de reais no ano passado.

O resultado operacional significa o saldo das atividades principais, descontados os custos de vendas, publicidade e serviços e outras despesas operacionais, sem considerar os ganhos com investimentos financeiros e participações em outros setores.

As informações são do relatório de administração da empresa, publicado no último 16 de março no Diário Oficial do Rio de Janeiro (DOERJ). A Globopar não inclui os resultados das rádios nem dos jornais impressos do grupo.

Para efeito de comparação, o resultado operacional da Globopar chegou a 2,187 bilhões de reais em 2014, no auge da performance das atividades relacionadas à TV aberta e às operações na Internet. TV por assinatura e outros negócios, como o resultado de empresas controladas e de investimentos financeiros, são adicionados no processo “consolidação da demonstração de resultados”.

Em anos anteriores, já haviam sido registradas quedas de receita, porém muito menos acentuadas. Em 2015, houve uma queda de 33%, mas a empresa manteve um relevante superávit de 1,456 bilhão de reais; em 2016, experimentou uma perda maior, de mais de 86%, com saldo de 191,26 milhões de reais (bem menor, mas ainda positivo).

A empresa de comunicação nunca havia apresentado um resultado tão negativo (nominalmente, ou seja, sem considerar a atualização inflacionária) – pelo menos desde a série de balanços que o grupo publica anualmente desde 2009, com a mesma metodologia.

O declínio das contas do maior grupo de comunicação do Brasil contrastam com a manutenção da aposta da empresa no jornalismo nas diferentes mídias, por meio do qual direciona e editorializa a agenda política para atuar como dirigente num processo de aguda crise da economia e do sistema representativo (Executivo e Legislativo). Mesmo quando faz denúncias “contra a corrupção”, a Globo não prescinde da agenda política regressiva, vocalizando as pautas do agronegócio, dos grandes empresários e do mercado financeiro.

TV paga e investimentos sustentam lucro líquido

O contexto leva a crer que, apesar das dificuldades enfrentadas pela TV aberta – o que reduz os ganhos financeiros diretos –, a Globo vê na sua rede, com 5 emissoras próprias e 118 afiliadas, um instrumento central para se legitimar como ator relevante num cenário com grandes transformações na conjuntura política e nos próprios negócios. Por tabela, a televisão ainda é o maior suporte para renovar a credibilidade na própria TV e nos demais meios do grupo – tanto os tradicionais (jornais impressos e rádios) como as novas incursões (Globoplay). A TV Globo acaba de completar 53 anos de fundação, no dia 26 de abril deste ano.

O que salva as contas da Globo são os resultados “consolidados”, que levam em conta outros negócios controlados, principalmente a TV paga (Globosat), além de publicação de revistas, atividade fonográfica e investimentos financeiros. Nas contas consolidadas, o grupo alcançou uma receita líquida de 14,801 bilhões de reais, valor superior em mais de 5 bilhões de reais àquele alcançado pela controladora. Essa cifra é reputada sobretudo aos resultados da Globosat, que tem gerado bons ganhos em “sinergia” com a atividade principal do grupo, que ainda é a TV aberta.

Ainda assim, representa uma redução nominal de 3,4% em relação a 2016, quando a receita consolidada chegou a 15,332 bilhões de reais, e de 8,8% se o resultado for comparado ao de 2014 – mais uma vez, relevando-se a inflação.

Mesmo considerando os resultados consolidados, a Globo também teve nova baixa no lucro líquido, com o valor de 1,853 bilhão de reais, o que representa uma redução de 5,2% em relação a 2016, quando já havia experimentado forte declive (superior a 36%), com o resultado de 1,956 bilhão de reais. Em 2015, mesmo já em meio à crise, o grupo atingiu o surpreendente valor de 3,066 bilhões de reais de lucro líquido.

Os resultados negativos são reflexo da progressiva perda de receitas nas contas da TV Globo e do braço do grupo na Internet, que não foi acompanhada pelo corte nos gastos. A controladora não conseguiu compensar a perda na receita líquida, que passou de 10,247 bilhões de reais em 2016 para 9,779 bilhões de reais em 2017, uma redução nominal vertiginosa de 4,5% – ou quase meio bilhão de reais (467,88 milhões de reais).

Em valores nominais, sem considerar a inflação do período (22,9%, segundo o IGP-M), o resultado da receita da controladora significa um decréscimo de mais de 17% se comparado a 2014, ano de melhor desempenho e a partir de quando começou a apresentar sucessivas reduções nominais. A receita de 2017 representa uma regressão a um patamar nominal próximo a 2012 (9,425 bilhões de reais), também sem levar em conta a inflação, que foi superior a 30% no período, de acordo com o IGP-M da Fundação Getúlio Vargas.

Os resultados dos últimos dois anos consolidam uma tendência de declínio tanto na receita quanto no lucro líquido do Grupo Globo, ao contrário da “gangorra” que se verificava nos balanços entre 2009 e 2015, quando recordes positivos de resultados se alternavam com reduções bem menos bruscas. Se for aplicada atualização a partir do IGP-M da FGV, as perdas do grupo são ainda mais agudas.

O resultado é ainda pior quando se verificam os resultados da holding (Organizações Globo Participações S.A. – “Grupo Globo”), que abrange os jornais impressos e possui um relatório próprio (publicado uma semana depois da Globopar). O lucro líquido consolidado do grupo referente a 2017 cai para 1,797 bilhão de reais, valor nominal inferior em 13,4% se comparado ao resultado de 2016 (2,039 bilhões de reais). Mesmo o relatório do Grupo Globo não inclui o sistema de rádios, que tem contabilidade à parte.

Autopromoção, mudança de rota e ajustes administrativos

Apesar da forte campanha autopromocional “100 milhões de uns” , em que declara alcançar essa quantidade de consumidores diariamente em todas as plataformas, a Globo não tem encontrado saídas para a queda de receitas. A campanha parece ter sido uma espécie de “vacina” profilática para as notícias negativas que viriam e se mostra como uma tentativa de renovar a estima na empresa como símbolo da amplitude e da diversidade nacionais.

Executivos da empresa também têm buscado reafirmar a crença na resiliência da televisão, mas sinalizam que o grupo tem buscado acelerar a procura por novos modelos de negócio. A saída, segundo Paulo Marinho, outro neto que tem sido alçado a postos de direção, são projetos digitais – como o Viu Hub, dirigido por ele – que, a um só tempo, concorram e se aproveitem das plataformas do Google e do Facebook, que hoje são os mais fortes concorrentes da Globo .

Outra mudança significativa na corrida por ajustes na holding foi a ascensão de Jorge Nóbrega, nomeado presidente-executivo na sucessão de Roberto Irineu Marinho em dezembro de 2017, embora este continue no comando do Conselho de Administração. O executivo, que está na empresa desde 1997, comandou a reestruturação na crise enfrentada pela Globo em 2002, quando o grupo chegou a declarar moratória das dívidas adquiridas nos anos anteriores após uma sequência de insucessos.

A postura de Nóbrega indica uma inflexão da Globo diante da Internet, antes um tema relativamente secundarizado nos negócios, que se voltavam muito para o enfrentamento das operadoras de telecomunicações. De acordo com ele, “felizmente”, tem se fortalecido o debate sobre a regulação das empresas que atuam na Internet, que, segundo avalia, “abusam da ideia de que a internet deve ser um território livre, sem leis nem regras”.

Jorge Nóbrega aproveita a contenda para responsabilizar as mídias digitais pela proliferação de “fake news”, o que, na prática, significa uma tentativa de chancelar o “jornalismo” das mídias anteriores (TV, rádio e impresso) como detentor maior da credibilidade diante do público. O posicionamento mais ofensivo e enfático do hoje principal executivo do grupo dá mostras de que a Globo deve jogar mais energias não só em novos negócios digitais, mas no enfrentamento político desses agentes econômicos “externos”.

Cortes chegam ao maior símbolo da emissora de TV: as novelas

Já no segmento de produção ficcional, nos últimos anos, a emissora tem aberto mão de atores de referência da emissora, como Maitê Proença, Isabela Garcia, Pedro Cardoso e Carolina Ferraz, todos com décadas de casa, mantendo um elenco bem mais enxuto com contratos de longo prazo e exclusividade. Esse cenário de cortes, sobretudo na área de novelas (símbolo maior da emissora), seria impensável há poucos anos.

A performance das novelas globais também já não é a mesma. Se antes uma produção do horário nobre das 21h alcançava facilmente mais de 50 pontos, com picos de 60, hoje têm grande dificuldade de chegar a 40. No último período, mesmo o entretenimento também sofreu abalos, a exemplo do Big Brother Brasil, que em 2017 não chegou a ter todas as cotas de patrocínio comercializadas. Em 2018, a emissora só conseguiu vender todas as cotas BBB mantendo a tabela do ano anterior.

Outra mudança drástica se deu na área de Esportes, que passou a ter estrutura totalmente independente da diretoria de Jornalismo, quando foi assumida por Roberto Marinho Neto, filho do primogênito dos irmãos Marinho, Roberto Irineu, em 2016, logo após os Jogos Olímpicos no Rio.

Renato Ribeiro, com mais de 30 anos de casa, foi demitido no final de maio de 2017, mesmo tendo comandado a contratação da transmissão da Copa e dos Jogos no Brasil, depois de a Globo não ter renovado o direito de transmissão dos amistosos da seleção da CBF . Meses depois de assumir, “Robertinho”, como é chamado internamente, promoveu um forte ajuste na área, demitindo dezenas de profissionais e integrando a produção da Globo, SporTV e Globoesporte.com.

Apesar de a televisão (aberta e, por tabela, a paga, via Globosat) ser o carro-chefe, a origem da grupo está no impresso, com a fundação do jornal O Globo (1925). Com os veículos impressos em crise estrutural, o grupo decidiu promover ajustes ainda mais drásticos na organização administrativa e editorial dos jornais. Editora Globo já vinha reduzindo os títulos, mas a mudança maior veio na integração das redações dos jornais (O Globo, Extra e Expresso) e, depois, da revista Época, cujo fim da versão impressa chegou a ser especulado.

A “integração” das redações, de acordo com os gestores, procurou dar mais “sinergia” à produção de jornalismo no meio impresso. Na prática, foi acompanhada de dezenas de demissões e significativas trocas de comando na área, que tem, ainda, o jornal Valor Econômico como patrimônio integral da Globo desde setembro de 2016, quando adquiriu a parte pertencente ao Grupo Folha.

Aposta em reforma editorial no conteúdo ficcional

Considerando as pautas que tem privilegiado na programação – sobretudo no conteúdo ficcional – nos últimos anos, a Globo dá sinais claros de que segue na sua busca por reposicionamento editorial. Essa mudança foi mais facilmente identificada a partir de 2017, mas é um processo que começou lá em 2013, logo após as Jornadas de Junho, quando, por exemplo, o jornal O Globo publicou editorial reconhecendo ter sido “um erro” o que chamou de “apoio editorial” à ditadura.

As mudanças na angulação dos conteúdos da Globo ganharam força depois de 2015, com uma revisão editorial mais perceptível na ficção e no entretenimento, no entanto bem menos no jornalismo, sem alterar sua posição política e cultural de forma estrutural, como já foi objeto de análise neste blog.

Nesse processo, Globo tem se escudado majoritariamente nas questões “morais” (raça, gênero e diversidade sexual) – em programas como Zorra, Amor & Sexo e Conversa com Bial – ou em temas mais amplos e genéricos (meio ambiente, corrupção). Com isso, neste momento, a TV da família Marinho fortalece uma tentativa de recompor a força da TV aberta e da própria Globo num momento de crise e decadência graduais de ambas.

No entanto, esse descenso da radiodifusão, e em especial do Grupo Globo, não se mostra, ainda, definitivo nem finalizado. Diferentemente do que vaticinam muitos adversários, o quadro do conglomerado da família Marinho é ainda confortável, principalmente considerando a estatura dos concorrentes diretos (Record e SBT), que têm receita total inferior ao lucro líquido da Globo.

Também a título de comparação, a “gigante” Netflix, que atua em mais de 190 países, teve um lucro líquido de 560 milhões de reais. Essa quantia equivale, hoje, a 1,937 bilhão de reais, valor apenas 7,7% superior ao resultado do Grupo Globo, o que inviabiliza os boatos de que a empresa de vídeo sob demanda poderia comprar a holding de mídia brasileira.

Desde maio de 2017, ainda é interessante ver como a Globo se porta quando se torna oposição enfática ao Governo Federal. Afinal, à exceção dos governos petistas, tal postura só ocorreu mesmo em 1992, quando abandonou o já decadente Governo Collor nos últimos minutos. Ao mesmo tempo que se coloca contra Temer, busca desconstruir o apoio popular ao lulismo/petismo que ainda subsiste. Na prática, porém, não tem tido êxito, considerando as pesquisas eleitorais recentes que colocam o ex-presidente Lula na liderança de todos os cenários previstos até o momento.

Da mesma forma, enquanto se mostra aberta a debater as opressões específicas, defende enfaticamente as “reformas” regressivas em direitos, como foi o caso da reforma trabalhista (aprovada facilmente como projeto de lei) e da reforma da Previdência (derrotada momentaneamente, após mobilizações populares e por conta do ano eleitoral).

Também conforme já apontado pelo blog, diante do quadro de crise aguda e endêmica na política institucional, o Grupo Globo tenta catalisar a insatisfação geral com o governo e, em especial, a indignação das classes médias e altas com a corrupção. Com isso, tem a intenção de se capitalizar e se construir como a intérprete e a vocalizadora hegemônica desse pensamento diluído, apresentado como a síntese possivelmente unificadora do País.

Afinal, com sinais diversos e aparentemente contraditórios (talvez apenas na superfície), por qual direção os irmãos Marinho têm conduzindo a TV Globo e todo o grupo, como resultante final de um negócio ainda com forte poder político e econômico, cuja receita é superior a 14 bilhões de reais  anuais? Esta é uma pergunta central para fazer prognósticos sobre a política e as comunicações no Brasil nos próximos anos.

Você pode gostar...